10 ANOS NO AR!

RÁDIO VIVA O SAMBA 10 ANOS NO AR! 

SOMOS RESISTÊNCIA!

Neste ano de 2019 no dia 21 de outubro a Rádio Viva o Samba completará 10 anos no ar.

E nesse tempo tivemos o prazer de apresentar para o mundo inteiro, para todos os continentes literalmente por sermos uma web rádio, a riqueza da nossa música brasileira. Os estilos? O Samba e o Choro um ritmo especial e genuinamente brasileiro.

Pudemos durante esses anos mostrar talentos que infelizmente a mídia “comercial” não mostra e com muita determinação superamos os obstáculos que apareceram nessa trajetória, com ajuda de alguns poucos amigos vencemos as barreiras da dificuldade financeira de manter esse projeto no ar 24 horas todos os dias, conhecemos muitos artistas,  montamos uma legião de ouvintes fiéis no mundo inteiro que apreciam a boa música.

Estamos comemorando essa vitória e o sucesso de um sonho que se transformou em realidade. As barreiras ainda existem e aqui contarei algumas “curiosidades” que ficarão gravadas em nossas memórias e corações, no meu e no da minha escudeira e companheira Aglaise Silva e Souza.

Este sonho de projeto começou no papel em 2004 quando em algum momento vislumbrei a possibilidade de criar na internet um canal de áudio com músicas de artistas que produziam mas infelizmente não encontravam um espaço aberto para mostrar o talento e o trabalho de qualidade. No início era um espaço num servidor gratuito onde eu criava uma lista de músicas “m3u” (playlist hoje, nome dado com o avanço da tecnologia) e colocava as musicas no formato mp3 para serem tocadas, a pessoa entrava num site que montei no espaço kit.net e podia ouvir aquela “playlist” que tocava em loop (hoje acho graça disso).

Depois já no ano de 2007 descobri um projeto maravilhoso da UNB (Universidade de Brasília), onde existe uma galera que já desenvolvia um projeto de uma rádio livre, o discurso e a idéia era espalhar  por várias universidades do país um jeito de se fazer comunicação livre, gostei e achei interessante e ali abri a minha web rádio, com uma url(endereço), transmissão ao vivo com locução(eu sozinho ) e entrando no ar num determinado horário para transmitir o Samba para o mundo, no Orkut e MSN eu caçava ouvintes e fazia novas amizades, ainda não existia o Facebook. Vale muito a pena conhecer o projeto Dissonante, um trabalho desbravador, pioneiro e de grande pesquisa sobre servidores de streaming grátis e o mais importante, LIVRE, a comunicação podendo chegar em qualquer parte deste planeta. Sou muito grato de aprender com esses idealizadores da transmissão de rádio pela web. Conheça este projeto, segue o link http://www.dissonante.org/  e também o coletivo radiolivre.org. Seja Livre!

A Rádio Viva o Samba começou com o nome de Samba na Fonte, ainda utilizando o espaço do Projeto Dissonante, mas tive que mudar o nome porque conheci um movimento de compositores nesta época ainda na Praça Mauá, o Projeto de Compositores Samba na Fonte dos meus amigos do Samba, então surgia com o novo nome a Web Rádio Viva o Samba, que no nome e acredito que muitos não saibam trata-se de uma maneira de se Viver o Samba, não somente um clamor de louvação.

Transmitia a Rádio Viva o Samba durante determinados dias da semana no horário da noite entrando pelas madrugadas, tinham os amigos do Orkut e MSN que se faziam presentes na audiência, Brasil, Argentina, Portugal, Paraguai, Japão, entre outros,  isso me motivava mais e mais, então no ano de 2009 pesquisando por servidores pagos de hospedagem para esse tipo de “serviço” achei a BRLOGIC, uma empresa inovadora  e especialista neste tipo de servidor, não pensei muito e assinei o plano de hospedagem e criei o site com domínio próprio WWW.radiovivaosamba.com, uma interface profissional com um site e suas seções. O Facebook surgia devagar e minha filha antenada criou uma conta para rádio, criei a logomarca e a rádio já ganhava uma identidade visual, o chapéu do malandro e o pandeiro, instrumento de família e meu (sou músico também). No final você saberá o porquê do pandeiro na logomarca.

Com o nome Rádio Viva o Samba e o trabalho de pesquisa que nunca deixamos de fazer, comecei a garimpar mais nessa imensa teia chamada internet, procurando trabalhos de qualidade de artistas que tem uma espaço “underground” (não gosto desses termos em inglês. Fazer o que né?). mas no “comercial” as portas estão sempre fechadas. Sem jabá não entra!

Antes do projeto completar um ano conheci Aglaise, um pessoa com um pensamento muito positivo sobre cultura de um modo geral, foi então que essa pessoa apareceu e abraçou a idéia do projeto da antes “minha” web rádio Rádio Viva o Samba.

Conversando e vendo que tínhamos muita coisa em comum e já alertada por mim que este trabalho não tinha salário e que também não gerava fundos financeiros para se esticar na rede e ficar milionário (pois era o que acontecia na época nessa grande bolha), aceitou e afirmou que colaboraria. No início aceitei mas juro que não acreditei que continuasse. E assim Aglaise entra no projeto com muitas idéias que começaram com a reformulação da grade de programação e até a maneira de comunicação nas redes sociais, assunto que modéstia a parte ela domina muito bem.

Agora a rádio como todas as outras tem uma equipe, embora pequena, de duas pessoas mas com uma vontade danada de trabalhar, maior que um cast de uma grande mídia de comunicação. O trabalho avança, primeiro colocando na programação o estilo e o ritmo genuínamente brasileiro, o Choro. Aglaise nascida também no berço da música, uma família de músico e compositor, aprendeu muito cedo a ouvir e conhecer os maiores nomes da música brasileira na sala da sua casa, ela é filha do Seu Carlinhos, isso Carlos de Souza compositor e parceiro dos grandes Mestres como , Wilson Batista, Ataulfo Alves, Bucy Moreira, Arnô Canegal Raul Marques, Déo Rian,... e assim ela cresceu na sua casa freqüentada por músicos e compositores.

Agregando amigos e artistas tivemos o prazer de realizar alguns trabalhos que ficaram registrados. Na Rádio Nacional do Rio de Janeiro quando fomos convidados pelo seu diretor geral na época Marcos Gomes, participamos nos programas de Osvaldo Sargentelli Filho e Adelzon Alves onde levamos os artistas que tocamos em nossa programação, foram ótimos anos de boa música e um papo musical cultural, sempre com seriedade e respeito aos nossos convidados e ouvintes.

A Rádio Viva o Samba também atuou visitando, fotografando, publicando e divulgando eventos e rodas de Samba que admitimos ser o perfil do trabalho que desenvolvemos.

Para finalizar o textão, como falei no começo o pandeiro símbolo da logomarca da Rádio Viva o Samba é uma homenagem ao meu velho pai Jair Corrêa, pandeirista, Sambista verdadeiro que me ensinou a apreciar o Samba e a boa músicae incentivou bastante para seguir com esse projeto.

Nesses dez anos de vida agradecemos aos amigos colaboradores dessa jornada e aos artistas nos brindam com o seu talento.

A RÁDIO VIVA O SAMBA tem como objetivo principal valorizar a cultura brasileira, neste trabalho não usamos a palavra resgate porque a verdadeira música brasileira está aí para quem quiser ouvir, ela existe, é eterna e a prova disso é que as grandes composições continuam sendo gravadas por novos interpretes que também se preocupam em manter acesa essa chama. 

Infelizmente, a maioria dos veículos de comunicação não tem se preocupado com a qualidade e com a divulgação da boa música, de eventos que contam a nossa história musical, da literatura que guarda todo esse conteúdo. Utilizando esta poderosa ferramenta que é a internet, através do nosso site www.radiovivaosamba.com continuaremos diariamente apresentando tudo que existe de melhor e representativo no meio.

Grandes compositores nos deixaram obras que não devem ficar arquivadas, essas obras devem ser distribuídas e executadas para que os jovens possam conhecer.

A equipe da RÁDIO VIVA O SAMBA é composta por duas pessoas, eu, Luiz Carlos Corrêa(Lucaco) e Aglaise Silva e Souza. e com muita paixão e resistência esperamos contar com você para jogar esta semente por onde passar.

Diferente da ideiade  que muitos se apropriam da cultura para ganhar dinheiro, a Rádio Viva o Samba tem o pensamento contrário em relação a esse procedimento, temos um pensamento que a cultura é de todos e sempre deve estar acessível, sejamos livres e realistas em preservar e divulgar, sem interesses, seguindo dessa forma temos a certeza que este trabalho de forminguinha espalhará uma semente que poderá germinar e crescer em novas cabeças que tenham o mesmo ideal.

A história e a memória de um país está registrada na criação desses artistas, cada qual em sua época, mas que o tempo nunca apagará enquanto existir um sopro de resistência. Viva o Samba! Viva o Choro!

Aglaise e Lucaco

 

::PUBLICIDADE